Hannah Starkey: Uma Janela Para a Experiência Feminina Através da Fotografia

Hannah Starkey, Untitled, November 2023, 2023, framed c-type print mounted on aluminium, 121.5 x 50 cm - 47 7/8 x 19 3/4 in
Lisbeth Thalberg Lisbeth Thalberg

Maureen Paley tem o prazer de apresentar a oitava exposição individual de Hannah Starkey na galeria, seguindo a sua exposição de retrospectiva “In Real Life” no Hepworth Wakefield em 2022. O trabalho de Starkey está atualmente em exibição em duas exposições itinerantes da Hayward Gallery, “Acts of Creation: On Art and Motherhood” e “After the End of History: British Working Class Photography 1989 – 2024”, bem como na exposição da South London Gallery “Acts of Resistance: Photography, Feminisms and the Art of Protest” organizada em colaboração com o V&A, Londres.

As fotografias em grande escala de Starkey dialogam com a forma como as mulheres são representadas na cultura contemporânea. Seus retratos capturam momentos do cotidiano e uma experiência feminina ampliada. Starkey revela mulheres em momentos de reflexão privada ou interação social que de outra forma poderiam passar despercebidos, conferindo monumentalidade a esses instantes através do grande formato de suas imagens.

“Você está muito ciente como uma jovem mulher de que é observada, e espera-se que você atue para o olhar”, comenta Starkey, “somos condicionadas ao ponto de nos observarmos sendo observadas, e operamos fora dessa linguagem, ou dessas dinâmicas. Meu trabalho é uma forma de falar com as mulheres sobre como você não precisa sempre atuar para o olhar, que há mais em ser mulher do que ser vista.” 1

Nas suas cenas cuidadosamente coreografadas, Starkey trabalha intimamente com as mulheres que fotografa, discutindo composição e poses com as modelos, mostrando-lhes continuamente a imagem para estabelecer a aprovação do trabalho. Isso para superar o que ela chama de “o olho consumidor da câmera”, reconhecendo o potencial hierárquico inerente ao ato de fotografar alguém. “Untitled, Janeiro 2023”, 2023, mostra jovens mulheres fotografando umas às outras; o trabalho foi realizado durante sua colaboração com estudantes do CAPA College de Wakefield, uma iniciativa na qual Starkey criou um espaço de empatia e alegria como um alívio para os danos que a manipulação digital está infligindo à auto-percepção.

Estes trabalhos limitam o acesso do espectador às mulheres através do uso de Starkey de vidro e reflexos. Os sujeitos são mostrados através de janelas e espelhos, um processo que força o olho a desacelerar na sua compreensão da cena. Ela observou “Eu queria trazer a forma feminina para aquele estado onde ela é fragmentada e dividida… construindo a imagem de modo que fosse mais difícil de deconstruir, bloqueando o olho consumidor”. 2 Nos autorretratos, Starkey aparece no reflexo de espelhos estilhaçados, colocando-se por trás do olhar da lente da câmera enquanto se torna igualmente seu sujeito. O ato de virar a lente para si mesma igualmente imita a crescente prevalência e potência da auto-representação impulsionada pela proliferação implacável de imagens nossas nas redes sociais.

Hannah Starkey (nascida em 1971, Belfast), vive e trabalha em Londres. Em 2019, foi vencedora do Freelands Award com The Hepworth Wakefield, onde apresentou uma grande exposição de retrospectiva, Hannah Starkey: “In Real Life” em 2022. Exposições individuais incluem “Principled & Revolutionary: Northern Ireland’s Peace Women”, Ulster Museum, Belfast, Irlanda do Norte, 2023; “Celebrating City Women”, Guildhall Art Gallery, Guildhall, Londres, Reino Unido, 2020; Centre Culturel Irlandais, Paris, França, 2016; Maureen Paley, Londres, Reino Unido, 2015; Mead Gallery, Warwick Arts Centre, Coventry, Reino Unido, 2011; Irish Museum of Modern Art, Dublin, Irlanda, 2000; Castello di Rivoli, Turim, Itália, 2000 e Cornerhouse, Manchester, Reino Unido,1999.

Exposições coletivas selecionadas incluem “Acts of Resistance: Photography, Feminisms and the Art of Protest”, South London Gallery, Londres, Reino Unido, 2024; “Acts of Creation: On Art and Motherhood”, Hayward Gallery Touring, Arnolfini Gallery, Bristol, Reino Unido, viajando para: Midlands Arts Centre, Birmingham, Reino Unido; Millennium Gallery, Museu de Sheffield, Sheffield, Reino Unido, 2024; “After the End of History: British Working Class Photography 1989 – 2024”, Hayward Gallery Touring, Herbert Art Gallery & Museum, Coventry, Reino Unido; viajando para: Focal Point Gallery, Southend, Reino Unido; Bonington Gallery, Nottingham, Reino Unido; “In the Now: Gender and Nation in Europe”, Seleções da Coleção de Fotografia Sir Mark Fehrs Haukohl, LACMA, Los Angeles, EUA, 2021, viajando para: Brooklyn Museum, Brooklyn, Nova York, EUA; “Fiction and Fabrication: photography of architecture after the digital turn”, MAAT Museum of Art, Architecture and Technology, Lisboa, Portugal, 2019; 209 Women, Portcullis House, Londres, Reino Unido, 2018, “A Place in the World”, East Gallery, Norwich University of the Arts, Norfolk, 2018; “Transparency”, Walker Art Gallery, Liverpool, Reino Unido, 2017 e “Adventures of the Black Square: Abstract Art and Society 1915 – 2015”, Whitechapel Gallery, Londres, Reino Unido, 2015.

Em 2018, a MACK publicou Hannah Starkey: Fotografias 1997-2017, e uma monografia do trabalho de Hannah Starkey foi publicada junto com sua exposição “In Real Life” no The Hepworth Wakefield em 2022.

Partilhar este artigo
Seguir:
Jornalista e artista (fotógrafo). Editor da secção de arte da MCM.
Deixar um comentário