Patricia Highsmith: O génio obscuro por detrás de “Estranhos num Comboio” e “O Talentoso Sr. Ripley

Patricia Highsmith foi uma romancista e contista americana, mais conhecida pelos seus thrillers psicológicos e romances de suspense. Nasceu a 19 de janeiro de 1921 em Fort Worth, Texas, e cresceu na cidade de Nova Iorque. Highsmith estudou no Barnard College e na Columbia University antes de seguir a carreira de escritora. Ganhou amplo reconhecimento pelo seu romance de estreia, “Strangers on a Train”, que mais tarde foi adaptado a um filme popular por Alfred Hitchcock.

Ao longo da sua carreira, Highsmith escreveu mais de 20 romances e numerosos contos, tendo muitas das suas obras sido adaptadas a filmes ou séries televisivas. A sua criação mais famosa é a personagem de Tom Ripley, um sociopata inteligente e encantador que aparece em cinco dos seus romances. O estilo de escrita de Highsmith explorou frequentemente o lado negro da natureza humana e aprofundou temas como a obsessão, a culpa e a identidade.

Apesar da aclamação da crítica pela sua escrita, Highsmith debateu-se com problemas pessoais como o alcoolismo e a depressão ao longo da sua vida. Viveu em vários países, incluindo França, Inglaterra, Suíça e Itália, antes de se estabelecer na Suíça, onde faleceu a 4 de fevereiro de 1995, com 74 anos.

Atualmente, Patricia Highsmith é considerada uma das maiores escritoras policiais do século XX e continua a influenciar os autores modernos com as suas histórias de suspense arrebatadoras. As suas obras foram traduzidas para várias línguas e ganharam um culto de seguidores entre os leitores de todo o mundo.

Patricia Highsmith
Patricia Highsmith. By Open Media Ltd – Open Media Ltd, CC BY-SA 3.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=24443239

Início da vida

Patricia Highsmith nasceu Mary Patricia Plangman a 19 de janeiro de 1921 em Fort Worth, Texas. A sua mãe era ilustradora e o seu pai era um artista gráfico que trabalhava em publicidade. Divorciaram-se antes de ela nascer e ela foi criada principalmente pela avó materna em Nova Iorque.

Highsmith teve uma infância solitária e debateu-se com a sua identidade sexual desde tenra idade. Era vista como uma criança estranha que preferia a companhia de caracóis e gatos à de outras crianças. Mais tarde, Highsmith descreveu-se a si própria como uma desajustada que se sentia deslocada em criança devido à sua sexualidade ambígua e ao seu temperamento artístico. Desde os 12 anos, mantinha cadernos de poesia e vivia num mundo de fantasia criado por ela própria. Apesar das suas tendências solitárias, criou uma ligação estreita com a mãe e a avó.

Educação

Patricia Highsmith frequentou o Barnard College, em Nova Iorque, onde estudou inglês, latim e grego. Esteve envolvida com a revista literária estudantil em Barnard. Depois de se formar em 1942, frequentou a pós-graduação na Universidade de Columbia, onde estudou escrita de ficção e composição de contos. Continuou a escrever e a publicar contos durante o seu tempo em Columbia. Highsmith não concluiu o curso de pós-graduação, tendo seguido uma carreira como escritora de banda desenhada na década de 1940. Mais tarde, ela disse que valorizava o tempo que passou estudando literatura e escrita criativa na faculdade, pois isso ajudou a desenvolver seu estilo de escrita e voz distintos.

Início da carreira de escritora

Depois de se formar no Barnard College em 1942, Patricia Highsmith lutou para conseguir publicar seus escritos. Ela enviou contos para revistas como a Harper’s Bazaar e a New Yorker, apenas para enfrentar continuamente a rejeição. Para se sustentar, Highsmith teve uma série de empregos, incluindo trabalhar numa fábrica de bonecas e como vendedora na secção infantil da loja de departamentos Bloomingdale’s.

Frustrada com o mundo editorial, Highsmith voltou-se para a escrita de banda desenhada no final da década de 1940 e início da década de 1950. Foi guionista de muitos títulos da série “Romance Comics” publicada pela Crestwood/Prize Comics. Embora o considerasse um “trabalho de hacker”, a escrita de banda desenhada proporcionava-lhe um salário fixo. Durante este período, continuou a enviar contos para revistas e acabou por ver o seu primeiro conto, “The Heroine”, publicado no Harper’s Bazaar em 1945.

O primeiro romance de Highsmith, Estranhos num comboio, foi rejeitado pela sua editora Harper & amp; Brothers. Sem se deixar abater, ela persistiu e continuou a aperfeiçoar sua arte e seu estilo. Os seus contos começaram a aparecer na Ellery Queen’s Mystery Magazine no início da década de 1950. O segundo romance de Highsmith, The Price of Salt, foi publicado em 1952 sob o pseudónimo Claire Morgan, uma vez que tratava de temas lésbicos. Embora ainda enfrentasse desafios, Highsmith estava a começar a ganhar reconhecimento nos círculos editoriais através da sua ficção curta.

Sucesso com “Strangers on a Train

O romance Strangers on a Train, de 1950, foi a grande oportunidade de Highsmith como escritora. Foi publicado pela Harper & amp; Brothers e vendeu cerca de 50.000 exemplares nos primeiros seis meses, o que lhe permitiu deixar o seu emprego e dedicar-se à escrita a tempo inteiro.

Strangers on a Train gira em torno de um encontro casual entre dois homens, Charles Bruno e Guy Haines, num comboio. Bruno propõe-lhes que “troquem assassínios”, ou seja, Bruno mata a mulher de Guy se Guy matar o pai de Bruno. Guy não leva Bruno a sério, mas Bruno acaba por matar a mulher de Guy. Isto força Guy a um dilema moral, pois Bruno pressiona-o a cumprir a sua parte do suposto acordo.

O romance foi bem recebido pela crítica e ajudou a cimentar a reputação de Highsmith de criar thrillers psicológicos inteligentes. A ambiguidade moral das personagens e a exploração da culpa e da dualidade foram notadas por acrescentarem profundidade ao que, de outra forma, poderia ter sido um enredo de assassinato padrão. O facto de o romance se centrar na psicologia de um assassino e não nos pormenores dos assassinatos em si foi relativamente inovador para o género na época.

A adaptação bem-sucedida de Strangers on a Train para um filme de Alfred Hitchcock, em 1951, deu ainda mais exposição e popularidade à obra de Highsmith. Embora não tenha escrito nenhuma sequela de Strangers on a Train, o sucesso crítico e comercial do romance deu a Highsmith a confiança e os meios para prosseguir a sua carreira literária com maior liberdade criativa.

O Talentoso Sr. Ripley e Outros Romances

A obra mais conhecida de Patricia Highsmith é o thriller psicológico O Talentoso Sr. Ripley, publicado em 1955. Este romance apresentou o seu anti-herói Tom Ripley, um jovem vigarista que assassina um conhecido rico e depois se faz passar por ele. O Talentoso Sr. Ripley explora temas de obsessão, duplicidade e a natureza fluida da identidade que se tornariam marcas da ficção de Highsmith. O seu ambiente europeu também estabeleceu a sua reputação como romancista de intriga internacional.

A The Talented Mr. Ripley seguiram-se quatro sequelas, cada uma retratando outra das escapadelas amorais de Tom Ripley. Os romances de Ripley de Highsmith tornaram-se mais satíricos ao longo do tempo, criticando as pretensões da classe alta. O seu estilo de escrita também evoluiu, passando da atmosfera noir do primeiro livro para a comédia negra.

Para além da série Ripley, Highsmith escreveu muitos romances de suspense psicológico, muitas vezes centrados em criminosos, vigaristas e relações distorcidas. Obras como The Cry of the Owl, This Sweet Sickness e The Two Faces of January tratam de obsessão, confusão de identidade e ambiguidade moral. Highsmith também escreveu inúmeros contos, muitos dos quais partilham o tom perturbador e os temas de psicologia anormal presentes nos seus romances. Ela preferia concentrar-se em dramas pessoais íntimos em vez de enredos de ação.

Processo de escrita e influências

Patricia Highsmith tinha alguns hábitos de escrita únicos e inspirava-se numa série de influências literárias. Escrevia frequentemente rodeada de caracóis no seu jardim e até os levava consigo em viagens. Highsmith também bebia regularmente enquanto escrevia, mantendo um copo de uísque ou gin junto à sua máquina de escrever.

Vários autores foram grandes influências no estilo de escrita e nos temas de Highsmith. Era uma ávida leitora de Dostoievski e admirava a forma como ele se aprofundava nas dimensões psicológicas das suas personagens. Highsmith também apreciava o talento de Oscar Wilde para captar as contradições humanas. A peça Rope, de Patrick Hamilton, que se centra em dois jovens que cometem um assassínio apenas pela emoção, ajudou a inspirar o enredo de Strangers on a Train.

Highsmith tornou-se conhecida pela sua capacidade de criar suspense através da vida interior das personagens. A autora centrou-se na deterioração moral dos protagonistas, que racionalizam os seus impulsos obscuros e a sua descida ao crime. Esta tensão psicológica era a assinatura da sua técnica de suspense. Em vez de se basear na violência, na ação e em reviravoltas surpreendentes, Highsmith construiu a intriga através das mentes moralmente ambíguas de assassinos e vigaristas. A sua capacidade de entrar na cabeça de tais personagens e compreender as suas racionalizações distorcidas impressionou muitos outros escritores.

Vida pessoal

Patricia Highsmith teve uma vida pessoal pouco convencional que causou frequentemente controvérsia. Embora tenha namorado brevemente com o escritor Marc Brandel, Highsmith nunca se casou nem teve filhos. Era abertamente lésbica numa altura em que a homossexualidade era tabu e ilegal em muitos locais.

Highsmith teve vários casos com mulheres ao longo da sua vida. Uma das suas relações mais significativas foi com a artista Carol Plant, na década de 1940. No início dos anos 50, envolveu-se romanticamente com a socióloga Ellen Blumenthal Hill, que na altura era casada. O seu caso terminou amargamente vários anos mais tarde.

Em 1966, Highsmith iniciou uma relação com a escritora Marijane Meaker que durou dois anos. Também teve um romance intenso com a artista Caroline Besterman, que durou décadas. Highsmith tendia a apaixonar-se inicialmente pelos seus amantes, antes de acabar por perder o interesse.

Highsmith viajou muito pela Europa ao longo da sua vida, vivendo em Inglaterra, França, Itália e Suíça durante longos períodos. Ela era fluente em francês e admirava a cultura europeia. No entanto, também enfrentou ocasionalmente discriminação e hostilidade por ser uma mulher americana abertamente homossexual no estrangeiro.

Highsmith preocupava-se profundamente com questões sociais e políticas, apoiando os direitos dos animais e opondo-se à violência. Fez contribuições financeiras para muitas causas que lhe eram caras. No entanto, as suas opiniões fortes e a sua personalidade espinhosa também a colocavam frequentemente em sarilhos. Era conhecida pela sua intensidade, reclusão e interesse pelo lado negro da natureza humana.

Carreira posterior e morte

No final da sua carreira, Highsmith recebeu inúmeros prémios e honras em reconhecimento das suas contribuições significativas para a literatura. Em 1980, foi galardoada com o Prémio O. Henry pelo conto “The Snail Watcher”. Recebeu também o prémio Silver Dagger da Crime Writers’ Association em 1964 e 1975.

Os últimos anos de Highsmith foram passados na Suíça, onde vivia desde o início da década de 1960. Continuou a escrever e a publicar novos romances e histórias, embora a sua produção tenha abrandado nos últimos anos. O seu estado de saúde piorou devido a uma combinação de anemia, diabetes e danos no fígado provocados pelo consumo excessivo de álcool. Highsmith morreu aos 74 anos, em 1995, em Locarno, na Suíça.

Após sua morte, Highsmith continuou a receber reconhecimento póstumo e reavaliação crítica de sua obra. Muitos dos seus romances foram adaptados a filmes, apresentando a sua obra a novos públicos. Em 2009, foi-lhe atribuído o prémio Outstanding Mystery Writer of the 20th Century pelos Mystery Writers of America. A sua reputação como uma das mais talentosas e influentes escritoras policiais do século XX só tem crescido ao longo do tempo.

Legado

Patricia Highsmith deixou um impacto profundo nos géneros de suspense e thriller que ainda hoje se faz sentir. Os seus thrillers psicológicos introduziram personagens e temas mais sombrios e complexos que quebraram as convenções da escrita de mistério. A autora explorou a ambiguidade moral da psique humana de uma forma sem precedentes.

Highsmith inspirou inúmeros escritores com a sua capacidade de penetrar na mente dos criminosos e criar uma intimidade desconfortável entre o leitor e os protagonistas, muitas vezes amorais. Escritoras como Ruth Rendell e Gillian Flynn citaram Highsmith como uma grande influência nos seus próprios romances policiais psicologicamente complexos. A sua personagem Tom Ripley, em particular, estabeleceu o modelo para o charmoso e brilhante anti-herói psicopata que ainda povoa muitos thrillers.

Para além do seu significado literário, a obra de Highsmith também deixou uma marca cultural. O seu romance de 1955, O Talentoso Sr. Ripley, foi adaptado a um filme de 1999, protagonizado por Matt Damon, apresentando as suas personagens retorcidas a novos públicos. A personagem Ripley continua a fascinar, com outros actores como John Malkovich e Barry Pepper a assumirem o papel em adaptações posteriores. Os filmes baseados nos seus outros romances, especialmente Estranhos num Comboio, são considerados clássicos.

Por isso, embora Highsmith possa não ser um nome conhecido como Agatha Christie, as suas histórias sombrias e psicologicamente penetrantes ajudaram a desenvolver o género de suspense e ainda ressoam junto do público. Ela expandiu as fronteiras da ficção de mistério e deixou um legado que os autores de suspense modernos continuam a desenvolver.

Citações notáveis

Patricia Highsmith era conhecida pelas suas perspectivas perspicazes sobre a escrita, a vida e a natureza humana. Aqui estão algumas das suas citações mais instigantes:

Sobre a escrita:

“É um alívio maravilhoso, perceber que o ato de escrever corrige o pensamento, à medida que se avança.”

“Não acho difícil escrever, mas acho muito difícil começar.”

Sobre a vida:

“É a possibilidade de estimulação emocional que atrai as pessoas para o romance”.

“O artista criativo parece ser quase o único tipo de homem que nunca se pode encontrar em terreno neutro. Só o podemos encontrar enquanto artista. Ele não vê nada objetivamente porque o seu próprio ego está sempre em primeiro plano em cada imagem.”

Sobre a natureza humana:

“Penso que a maioria dos romancistas tem apenas uma personagem e conhecem-na tão bem que a conseguem adaptar a qualquer situação e a qualquer livro que estejam a escrever.”

“Recebo frequentemente cartas de leitores que afirmam que não só resolveram o mistério de um dos meus romances, como também descobriram, psicologicamente, o “porquê” do próprio crime. Dizem que compreenderam as motivações do criminoso. Mas a verdade é que eu também não. Não estou muito interessado nos motivos do criminoso. O que me interessa é o efeito sobre as outras pessoas”.

As citações de Highsmith revelam as suas perspectivas perspicazes sobre a escrita, a vida e a natureza humana, que contribuíram para o seu legado como romancista aclamada.

Martha Lucas
Martha Lucashttps://www.goodreads.com/user/show/178194854-martha-lucas
Martha Lucas é apaixonada por cinema e literatura. Está a trabalhar no seu primeiro romance e escreve artigos. É responsável pelas secções de teatro e de livros na MCM. Sevilha, Espanha. Contacto: martalucas (@) martincid (.) com
Artigos relacionados

Deixar uma resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos mais recentes