Yorgos Lanthimos: Um cineasta grego extraordinário

O cineasta grego Yorgos Lanthimos tornou-se uma figura proeminente no mundo do cinema, conhecido pelo seu estilo único de contar histórias e pelos seus filmes instigantes. Com um foco em thrillers psicológicos, comédias negras e filmes de terror, Lanthimos cativou o público e a crítica com a sua visão distinta. Neste artigo, vamos explorar a vida, a carreira e o estilo artístico de Yorgos Lanthimos, lançando luz sobre a sua ascensão à proeminência e a aclamação que recebeu pelas suas obras.

Início da vida e educação

Yorgos Lanthimos nasceu a 23 de setembro de 1973, em Pangrati, Atenas. Criado principalmente pela sua mãe, Eirini, proprietária de uma loja, Lanthimos teve uma educação única. O seu pai, Antonis Lanthimos, foi jogador profissional de basquetebol no Pagrati B.C. e na seleção nacional de basquetebol grega. Antonis também foi professor de basquetebol na Escola Moraitis.

Depois de completar a sua educação na Escola Moraitis, Lanthimos começou por estudar Administração de Empresas, ao mesmo tempo que jogava basquetebol no Pagrati B.C. No entanto, acabou por decidir seguir a sua paixão pelo cinema e inscreveu-se na Escola de Cinema e Televisão Helénica Stavrakos (HCTSS) em Atenas, onde estudou Realização para Cinema e Televisão.

Yorgos Lanthimos
Yorgos Lanthimos Depositphotos

Ascensão à proeminência: 1995-2014

O percurso de Lanthimos começou nos anos 90, quando realizou uma série de vídeos para companhias de dança-teatro gregas. Desde então, tem explorado vários meios, realizando anúncios de televisão, vídeos musicais, curtas-metragens e peças de teatro experimental. Fez também parte da equipa criativa que concebeu as cerimónias de abertura e encerramento dos Jogos Olímpicos de verão de 2004 em Atenas.

Lanthimos estreou-se nas longas-metragens em 2001 com “O Meu Melhor Amigo”, que co-realizou com Lakis Lazopoulos. O filme marcou o início da sua exploração do surreal e do não convencional. Em 2005, Lanthimos estreou “Kinetta” no Festival de Cinema de Toronto, estabelecendo ainda mais o seu estilo único e atraindo a atenção do público internacional.

No entanto, foi a sua terceira longa-metragem, “Dogtooth”, lançada em 2009, que verdadeiramente impulsionou Lanthimos para a ribalta. O filme, um drama psicológico grego, ganhou o prémio Un Certain Regard no Festival de Cannes de 2009 e foi aclamado pela crítica pela sua audácia e originalidade. Chegou mesmo a ser nomeado para Melhor Filme Estrangeiro na 83ª edição dos Prémios da Academia.

Lanthimos continuou a ultrapassar os limites com a sua quarta longa-metragem, “Alps”, que ganhou o Prémio Osella para Melhor Argumento no 68º Festival Internacional de Cinema de Veneza em 2011. O filme aborda temas como a identidade e a personificação, demonstrando a capacidade de Lanthimos para criar narrativas estimulantes.

Revelação e aclamação: 2015-presente

Em 2015, Yorgos Lanthimos fez uma transição para filmes de língua inglesa com orçamentos mais elevados, produzidos no Reino Unido, Irlanda e Estados Unidos. O seu primeiro filme em língua inglesa, “The Lobster”, estreou no Festival de Cannes de 2015 e foi amplamente aclamado pela crítica. Protagonizado por Colin Farrell, Rachel Weisz e John C. Reilly, o filme explora temas como o amor, as relações e as normas sociais num mundo distópico. A escrita de Lanthimos para “The Lobster” ganhou o Prémio Internacional ARTE para o Melhor Projeto CineMart no Festival Internacional de Cinema de Roterdão.

Lanthimos solidificou ainda mais a sua reputação de mestre cineasta com “The Killing of a Sacred Deer”, em 2017. Este filme de terror psicológico, protagonizado por Colin Farrell, Nicole Kidman e Barry Keoghan, estreou no Festival de Cannes e concorreu à prestigiada Palma de Ouro. O filme foi aclamado pela crítica, com Mark Kermode do The Guardian a compará-lo às obras de Michael Haneke e a descrevê-lo como uma exploração arrepiante da culpa e do castigo.

No entanto, foi o filme de Lanthimos de 2018, “A Favorita”, que atraiu mais atenção e aclamação. Uma comédia de época passada na corte da Rainha Ana no início do século XVIII, o filme é protagonizado por Olivia Colman, Emma Stone e Rachel Weisz. “A Favorita” foi aclamado pela crítica e nomeado para dez prémios da Academia, incluindo Melhor Filme e Melhor Realizador para Lanthimos. Ganhou o Grande Prémio do Júri no 75º Festival de Cinema de Veneza e solidificou a posição de Lanthimos como um dos cineastas mais talentosos e inovadores da sua geração.

Estilo e temas

Yorgos Lanthimos é conhecido pelo seu estilo distinto de filmar, caracterizado por um discurso afetado, atuação impassível e cinematografia enquadrada. Os seus filmes exploram frequentemente temas obscuros e não convencionais, desafiando as normas e expectativas da sociedade. As obras de Lanthimos debruçam-se frequentemente sobre as complexidades das relações humanas, a fragilidade da identidade e as consequências das pressões sociais. Os seus filmes têm uma qualidade surrealista, esbatendo as linhas entre a realidade e a ficção e deixando o público com questões persistentes e uma sensação de inquietação.

Vida pessoal e prémios

Na sua vida pessoal, Yorgos Lanthimos é casado com a atriz greco-francesa Ariane Labed desde 2013. A sua parceria estende-se para além da vida pessoal, com Labed a aparecer em vários filmes de Lanthimos.

A visão única e a capacidade de contar histórias de Lanthimos valeram-lhe inúmeros elogios ao longo da sua carreira. Os seus filmes receberam várias nomeações e prémios, incluindo quatro prémios no Festival de Cinema de Cannes e um prémio BAFTA. Lanthimos também foi reconhecido pelos Óscares da Academia, tendo recebido nomeações para Melhor Argumento Original por “The Lobster” e Melhor Realizador e Melhor Filme por “The Favourite”.

Filmografia e projectos futuros

A filmografia de Yorgos Lanthimos é um testemunho da sua versatilidade e capacidade criativa. Desde os seus primeiros filmes em língua grega, como “Dogtooth” e “Alps”, até às suas descobertas em língua inglesa, com “The Lobster” e “The Favourite”, Lanthimos tem constantemente ultrapassado fronteiras e desafiado convenções.

Para além das suas longas-metragens, Lanthimos realizou também uma série de curtas-metragens e esteve envolvido em produções teatrais. A sua filmografia mostra a sua capacidade de navegar em diferentes meios e explorar várias técnicas de narração.

Olhando para o futuro, Yorgos Lanthimos continua a cativar o público com os seus próximos projectos. O seu filme “Poor Things” estreou no 80º Festival Internacional de Cinema de Veneza, onde ganhou o prestigiado Leão de Ouro. O filme é protagonizado por Emma Stone, solidificando ainda mais a parceria criativa entre Lanthimos e a talentosa atriz. Além disso, Lanthimos está a trabalhar numa adaptação do romance de Jim Thompson, “Pop. 1280”, o que demonstra ainda mais o seu empenho em explorar narrativas não convencionais e cativar o público com o seu estilo distinto de contar histórias.

O percurso de Yorgos Lanthimos, de cineasta grego a realizador internacionalmente aclamado, é um testemunho da sua visão única e da sua capacidade de contar histórias. Através da sua exploração de thrillers psicológicos, comédias negras e filmes de terror, Lanthimos criou um nicho para si próprio no mundo do cinema. O seu estilo distinto, as suas narrativas instigantes e a sua vontade de desafiar as convenções fizeram dele um dos realizadores mais excitantes e inovadores do nosso tempo. Enquanto o público aguarda ansiosamente os seus futuros projectos, Yorgos Lanthimos continua a ultrapassar os limites, a cativar o público e a redefinir as possibilidades do cinema contemporâneo.

Molly Se-kyung
Molly Se-kyung
Molly Se-kyung é romancista e crítica de cinema e televisão. É também responsável pelas secções de estilo.
Contacto: molly (@) martincid (.) com
Artigos relacionados

Deixar uma resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos mais recentes