As Fascinantes Origens dos Ninjas: De espiões furtivos a heróis da cultura pop

The Fascinating Origins of Ninjas: From Stealthy Spies to Pop Culture Heroes
Penelope H. Fritz
Penelope H. Fritz

Os ninjas, os lendários espiões do Japão feudal, cativaram a imaginação de pessoas de todo o mundo. Estas figuras enigmáticas, com os seus trajes pretos e a sua mestria em matéria de furtividade, tornaram-se símbolos icónicos da cultura popular. De filmes como “Teenage Mutant Ninja Turtles” ao emocionante programa de televisão “American Ninja Warrior”, a influência dos ninjas é inegável. No entanto, a verdadeira história destes agentes secretos está envolta em mistério e mitologia.

História Ninja: Desmascarando o Mito

A questão de saber se os ninjas eram figuras históricas reais ou meras criações mitológicas há muito que intriga os académicos. Muitas histórias retratavam os ninjas como especialistas em artes marciais com capacidades sobrenaturais, capazes de conjurar fogo e de se dividirem em vários corpos. Embora estes contos possam ter alguma base na verdade, a maioria dos historiadores concorda que a imagem popular dos ninjas foi muito romantizada e comercializada ao longo dos séculos.

Os ninjas surgiram em cena no século XIV, contratados por daimyo, ou senhores da guerra feudais japoneses, principalmente para fins de espionagem e contraespionagem. No entanto, devido à sua natureza secreta, existem poucos registos escritos sobre os ninjas. Muito do que sabemos sobre eles provém de textos escritos muito depois do seu apogeu, nos anos 1600.

Ao contrário dos samurais, que eram lutadores altamente treinados de famílias de elite, os ninjas provinham de todos os sectores da vida. Ao contrário dos samurais, que aderiam a um rigoroso código de honra conhecido como bushido, os ninjas não estavam sujeitos a tais restrições. Isto tornava-os ideais para se envolverem em guerrilhas e espionagem, tarefas que teriam desonrado um samurai.

Os Shinobi: Mestres do Subterfúgio

Embora o termo “ninja” seja comummente utilizado hoje em dia, os textos históricos referiam-se a estes agentes secretos como “shinobi”. O Vocabulario da Lingoa de Iapam, um dicionário nipo-português publicado em 1603, definia os shinobi como espiões que se infiltravam em território inimigo para recolher informações.

O valor dos shinobi reside na sua capacidade de reunir informações cruciais para os seus patronos. Eles possuíam um profundo conhecimento da topografia do inimigo, dos suprimentos de comida e das estruturas do castelo. Os shinobi infiltravam-se nos domínios inimigos, avaliavam a situação do terreno e criavam o caos através de actos de sabotagem e fogo posto. O seu principal objetivo era reunir secretamente informações valiosas para o seu senhor.

Para cumprir as suas missões, os ninjas tinham de ser mestres do disfarce e do subterfúgio. Eram hábeis nas artes da dissimulação, da distração e da contrainformação. Contrariamente à crença popular, os ninjas estavam mais frequentemente envolvidos na recolha de informações do que em assassinatos. O seu sucesso dependia da sua capacidade de se misturarem em diferentes ambientes sociais, de adquirirem conhecimentos e de escaparem em segurança para comunicarem as suas descobertas aos seus patronos.

A Arte do Ninjutsu: Uma Disciplina Multifacetada

Os ninjas não eram apenas peritos em espionagem, mas possuíam também uma vasta gama de capacidades. A Bansenshukai, uma enciclopédia completa sobre ninjutsu escrita no século XVII, descrevia as artes ninja como englobando capacidades sociais, técnicas de conversação, mnemónicas, técnicas de transmissão, medicina, astronomia e até feitiçaria.

A disciplina psicológica desempenhava um papel crucial no treino de um ninja. Precisavam de manter um estado de tranquilidade absoluta, mesmo perante o perigo. Um bom ninja tinha uma auto-disciplina intensa e um estado de espírito puro, que lhe permitia manter-se calmo e concentrado em qualquer circunstância.

Os ninjas eram mestres do disfarce, infiltrando-se frequentemente nos seus alvos em plena luz do dia. Misturavam-se com camponeses e agricultores, usando ferramentas comuns como foices e espadas como armas. No entanto, a sua arma mais famosa era a shuriken, também conhecida como a estrela ninja. Estas lâminas de arremesso, do tamanho de um bolso, podiam ser facilmente escondidas e usadas para desarmar os adversários.

Ninjas no contexto histórico: Momentos de Definição

Embora as origens exactas dos ninjas não sejam claras, estes desempenharam um papel importante na história do Japão durante os conflitos territoriais entre senhores da guerra. Dois períodos notáveis em que os ninjas estiveram activos foram as Guerras de Nanbokucho (1336-1392) e o Período dos Estados Combatentes (1467-1568).

Um momento marcante que demonstrou a influência dos ninjas na história do Japão foi o Incidente de Honno-ji de 1582. Após o assassinato de Oda Nobunaga, um poderoso shogun, um dos seus leais, Tokugawa Ieyasu, encontrava-se em grave perigo. Foi Hattori Hanzo, um mestre espadachim e ninja de renome, que terá salvo a vida de Ieyasu ao levá-lo clandestinamente para fora do território inimigo. Este ato preservou o futuro de Ieyasu como shogun e conduziu a dois séculos de paz e prosperidade, conhecidos como o período Edo.

Outra figura notável na história dos ninjas é Ishikawa Goemon, um ninja nascido em Iga que tentou aliviar o sofrimento dos camponeses roubando aos ricos e redistribuindo a sua riqueza. Enquanto alguns consideram Goemon um herói lendário, outros argumentam que se trata de uma personagem de ficção. A sua história terminou de forma trágica quando não conseguiu assassinar Toyotomi Hideyoshi e foi cozido vivo, juntamente com o seu filho, pelos homens de Hideyoshi.

A ascensão da cultura pop ninja

O apelo duradouro dos ninjas levou à sua popularidade generalizada na cultura moderna. Na década de 1950, o presidente da câmara de Iga, Okuse Heishichirō, desempenhou um papel importante ao chamar a atenção do público para os ninjas, criando o Ninjutsu Wonder Museum. Esta iniciativa desencadeou uma vaga de livros, artigos e ficção sobre o tema.

A representação dos ninjas no filme de James Bond “You Only Live Twice”, de 1967, foi um momento crucial para a sua popularização. A cena em que centenas de assassinos ninja entram de rapel no covil da SPECTRE captou a imaginação dos espectadores de todo o mundo. Esta cena marcou a entrada dos ninjas na cultura pop, levando-os a aparecer em filmes, programas de televisão, jogos de vídeo, brinquedos, banda desenhada e até em marcas de produtos.

Uma das manifestações de ninjas mais bem sucedidas da cultura pop é a série Teenage Mutant Ninja Turtles. Esta série de animação e os brinquedos relacionados tornaram-se um enorme sucesso, cativando o público com as aventuras de Leonardo, Donatello, Miguel Ângelo e Rafael. A popularidade das Teenage Mutant Ninja Turtles solidificou o seu estatuto de ícones adorados da cultura pop.

As origens dos ninjas podem estar mergulhadas em lendas e mitos, mas o seu impacto na história e na cultura popular japonesas é inegável. Estes espiões habilidosos e agentes secretos desempenharam papéis cruciais na recolha de informações e na contraespionagem em tempos de conflito. Embora a verdadeira natureza dos ninjas possa nunca ser totalmente conhecida, o seu legado continua a cativar a imaginação das pessoas em todo o mundo. Desde os seus humildes começos como guerreiros esquivos até à sua transformação em heróis da cultura pop, os ninjas deixaram uma marca indelével na história.

MARCADO:
Partilhar este artigo
Deixar um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *