Shirley Chisholm: uma mulher pioneira que se candidatou à presidência

Penelope H. Fritz
Penelope H. Fritz
Shirley_Chisholm

Shirley Chisholm foi uma política, educadora e escritora norte-americana. Foi membro da Câmara dos Representantes dos EUA de 1969 a 1983, representando o 12º distrito congressional de Nova Iorque. Chisholm foi a primeira mulher afro-americana eleita para o Congresso e foi também a primeira mulher negra a candidatar-se à presidência nas primárias de um grande partido político. Ao longo da sua carreira, lutou pelos direitos civis, pelos direitos das mulheres e pela justiça social. Defendeu questões como a reforma do ensino e a redução da pobreza, e foi co-fundadora do Congressional Black Caucus em 1969. Chisholm continua a ser uma figura influente na política americana e é recordada pelo seu espírito pioneiro e dedicação ao serviço público.

Início da vida e educação

Shirley Chisholm nasceu em Brooklyn, Nova Iorque, em 1924, filha de pais imigrantes de Barbados. Cresceu numa época de segregação racial e de preconceito contra os afro-americanos. No entanto, isso não a impediu de prosseguir os estudos. Chisholm licenciou-se cum laude no Brooklyn College com um bacharelato em sociologia em 1946. Em 1952, obteve um mestrado em ensino básico no Teachers College da Universidade de Columbia.

As realizações educativas de Chisholm enquanto mulher afro-americana em meados do século XX prepararam o caminho para a sua carreira e realizações políticas posteriores. Utilizou a educação como instrumento para se capacitar e ultrapassar a discriminação institucional que enfrentava. O seu sucesso académico demonstrou o seu intelecto, a sua determinação e a sua capacidade de prosperar apesar dos desafios que enfrentou. Esta sólida base educativa viria a revelar-se essencial na carreira inovadora de Chisholm.

Carreira de educador

Depois de obter o seu mestrado, Shirley Chisholm começou a trabalhar como educadora nas escolas públicas de Nova Iorque. Grande parte do início da sua carreira centrou-se na educação da primeira infância e trabalhou com alunos em creches e pré-escolas.

Na década de 1950, Chisholm foi directora de duas creches na cidade de Nova Iorque. Supervisionou programas educativos para crianças pequenas e ajudou a orientar a missão e as operações desses centros. O seu enfoque na educação da primeira infância mostrava a sua convicção de que uma educação de qualidade desde tenra idade era crucial para o desenvolvimento das crianças.

Chisholm acreditava que, com a educação e as oportunidades adequadas, todas as crianças poderiam ser bem-sucedidas e dar contribuições valiosas à sociedade. O seu trabalho como educadora e directora de creches lançou as bases para a sua posterior carreira na política, onde continuou a defender o acesso à educação e a igualdade. Mesmo com a sua entrada no mundo da política, Chisholm manteve-se empenhada no domínio da educação durante toda a sua vida.

Entrada na política

Shirley Chisholm começou a envolver-se na política no início da década de 1960. Trabalhou em várias campanhas políticas, incluindo a campanha presidencial de John F. Kennedy em 1960. Em 1964, Chisholm decidiu candidatar-se à Assembleia do Estado de Nova Iorque. Desenvolveu uma campanha de base bem sucedida no seu distrito de Brooklyn, centrada em questões de educação e de assistência social importantes para a sua comunidade. Chisholm venceu as primárias democratas por uma maioria esmagadora e acabou por ganhar as eleições gerais.

Com a sua vitória, Shirley Chisholm tornou-se a segunda mulher afro-americana a ser eleita para a Assembleia Legislativa do Estado de Nova Iorque. Como deputada, continuou a defender a reforma do ensino, a habitação a preços acessíveis, práticas de emprego justas e medidas anti-discriminação. Chisholm serviu na Assembleia Estadual até 1968, altura em que decidiu candidatar-se ao Congresso dos Estados Unidos. A sua campanha bem sucedida em 1964 marcou o início da longa e inovadora carreira de Chisholm como eleita. Ela trouxe uma voz apaixonada para falar contra a discriminação racial e lutar pelas minorias, pelas mulheres e pelos pobres.

Eleição para o Congresso

Em 1968, Shirley Chisholm fez história ao tornar-se a primeira mulher afro-americana eleita para o Congresso dos Estados Unidos. Ganhou a eleição para representar o 12º Distrito Congressional de Nova Iorque, em Brooklyn.

O slogan da campanha de Chisholm era “Unbought and Unbossed”, reflectindo a sua independência e o seu empenho para com os seus eleitores. Derrotou três outros candidatos nas primárias democratas antes de vencer o seu adversário republicano James Farmer nas eleições gerais.

Como congressista, Chisholm lutou incansavelmente pelos direitos civis, pelos direitos das mulheres e por outras causas progressistas. Foi uma defensora acérrima da Guerra do Vietname e de programas como o Head Start. Trabalhou para expandir as senhas de alimentação e estabelecer um programa nacional de seguro de saúde.

Chisholm contratou uma equipa só de mulheres e pronunciou-se contra o facto de o Congresso ser um “clube de homens ricos”. Ela abriu caminho para que outras mulheres afro-americanas pudessem servir no Congresso no futuro. A sua eleição foi um marco inspirador na luta por uma maior diversidade e representação na política americana.

Campanha presidencial de 1972

Em 1972, Shirley Chisholm fez história ao tornar-se a primeira candidata afro-americana a tentar obter a nomeação de um grande partido para Presidente dos Estados Unidos. Fez uma campanha sem precedentes para a nomeação democrata com base numa plataforma progressista que defendia os direitos civis, os direitos das mulheres, os pobres e a redução das despesas militares.

Chisholm declarou a sua candidatura em janeiro de 1972, argumentando que defendia o povo e representava um “catalisador da mudança”. O seu slogan de campanha era “Unbought and Unbossed”, sublinhando a sua independência do establishment político. Ela esperava que a sua candidatura “mudasse a face e o futuro da política americana”.

Chisholm era uma candidata com poucas chances, enfrentando concorrentes mais conhecidos como George McGovern, Hubert Humphrey, Edmund Muskie e George Wallace. Mas fez uma campanha enérgica junto das bases e foi uma presença entusiasmante nas primeiras primárias, atraindo grandes multidões e a atenção dos meios de comunicação social.

Ganhou delegados em várias primárias estaduais antes de obter a sua primeira vitória nas primárias em Nova Jersey, em junho. Mas, em última análise, não conseguiu criar uma dinâmica suficiente para conseguir a nomeação, que foi para McGovern. Mesmo assim, com mais de 150 delegados na Convenção Nacional Democrata naquele verão, ela causou um impacto importante.

Embora não tenha ganho, a campanha de Chisholm em 1972 abriu caminho para futuras candidaturas afro-americanas e femininas à presidência. Ela quebrou estereótipos e inspirou muitos com a natureza histórica da sua candidatura. A sua candidatura aumentou a consciência política e demonstrou a crescente diversidade do Partido Democrata.

Realizações no Congresso

Apesar dos desafios que enfrentou como a primeira mulher negra no Congresso, Chisholm conseguiu muito durante o seu tempo como representante. Pronunciou-se energicamente contra a Guerra do Vietname e as despesas militares, apresentando um projeto de lei para acabar imediatamente com o financiamento da guerra. Chisholm foi também co-fundadora do National Women’s Political Caucus em 1971, criado para aumentar a participação das mulheres na política.

Uma das realizações legislativas mais notáveis de Chisholm foi o patrocínio da Lei da Igualdade de Oportunidades de Crédito, que proibia a discriminação na concessão de empréstimos com base em características como a raça e o género. Esta importante legislação sobre direitos civis ajudou a alargar o acesso ao crédito e acabou por ser aprovada em 1974.

Mesmo depois de deixar o Congresso, Chisholm continuou a ser uma figura inspiradora. Em 2015, foi condecorada a título póstumo com a Medalha Presidencial da Liberdade pelo Presidente Barack Obama pela sua carreira e ativismo inovadores. Através da sua ousadia, integridade e liderança pioneira, Shirley Chisholm deixou um legado poderoso como defensora das mulheres, das minorias e dos ideais progressistas nos corredores do poder americano.

Legado

Shirley Chisholm deixou um legado duradouro na política americana e nos direitos civis. Sendo a primeira mulher afro-americana eleita para o Congresso, inspirou gerações de mulheres e minorias a candidatarem-se a cargos políticos. A sua campanha para a presidência em 1972, que quebrou barreiras, abriu caminho para futuros candidatos.

Ao longo de sua carreira, Chisholm personificou o slogan “não comprada e não mandada”. Manteve uma independência feroz e defendeu sem remorsos políticas progressistas relacionadas com os direitos civis, os direitos das mulheres, a educação, os cuidados de saúde e os programas de combate à pobreza. Mesmo quando enfrentou a resistência de políticos mais conservadores, Chisholm manteve-se firme nos seus princípios e disse a verdade ao poder.

O legado de Chisholm continua vivo através do grupo diversificado de mulheres e pessoas de cor que atualmente ocupam cargos no Congresso e nas legislaturas estaduais em todo o país. Ela provou que era possível para grupos historicamente marginalizados alcançar cargos eletivos e efetuar mudanças significativas. O Projeto Shirley Chisholm trabalha para dar continuidade ao seu legado, incentivando os jovens sub-representados a envolverem-se na política e no serviço público.

Mais de 50 anos depois da sua chegada a Washington, a carreira pioneira e a coragem inabalável de Shirley Chisholm servem de inspiração. O seu impacto duradouro na política progressista e o seu espírito de coragem continuam a motivar as novas gerações de pioneiros políticos.

Personal Life

Shirley Chisholm casou-se com Conrad Chisholm em 1949, quando ainda estava na faculdade. Conrad Chisholm era um educador da Jamaica que leccionava na mesma faculdade que Shirley. Embora até então se tivesse concentrado principalmente na sua carreira académica, Shirley depressa adoptou o apelido do marido e tornou-se Shirley Chisholm.

Os dois estiveram casados durante 28 anos antes de se divorciarem em 1977. Chisholm não teve filhos e foi durante a sua primeira campanha para o Congresso que tomou a decisão de não ter uma família tradicional, dizendo: “Sabia que, se continuasse casada, nunca conseguiria chegar ao Congresso. Quando me candidatei ao Congresso, os maridos estavam ressentidos e não me apoiavam”.

Depois de se reformar do Congresso em 1983, Chisholm manteve-se ativa na política e no mundo académico. Leccionou política e estudos femininos no Mount Holyoke College e no Spelman College e fez aparições públicas regulares. Trabalhou incansavelmente para apoiar os direitos das mulheres, os direitos civis e a emancipação dos grupos minoritários.

Mesmo na reforma, Chisholm continuou a abrir novos caminhos. Era muito respeitada pelas suas posições de princípio e pela sua carreira política pioneira. Chisholm abriu caminho para outros políticos de minorias e deixou um legado poderoso.

Morte e honras

Shirley Chisholm faleceu em 2005, aos 80 anos de idade, em Ormond Beach, na Florida. Morreu devido a complicações relacionadas com uma pneumonia.

Mesmo após o seu falecimento, continuaram a ser atribuídas honras a Chisholm, reconhecendo a sua carreira pioneira e as portas que abriu às mulheres e às minorias na política.

Em 2015, o presidente Barack Obama concedeu postumamente a Chisholm a Medalha Presidencial da Liberdade. Esta é a mais alta condecoração civil do país.

Vários locais e coisas foram também baptizados em honra de Chisholm:

  • Em 1993, o Spelman College homenageou Chisholm dando o seu nome ao seu novo centro de liderança.
  • Em 2001, foi organizado em Brooklyn o primeiro Shirley Chisholm Day para celebrar a sua vida e o seu legado. Este evento continua a realizar-se anualmente.
  • Em 2005, o Parque Estatal Shirley Chisholm foi inaugurado em Brooklyn, perto do local onde Chisholm cresceu. Este é o primeiro parque estatal do estado de Nova Iorque numa zona urbana.
  • Também em 2005, o Congresso dos EUA criou o Fundo de Bolsas de Estudo para a Educação Shirley Chisholm para conceder bolsas de estudo universitárias a estudantes merecedores.

O legado de Chisholm como pioneira e a sua dedicação à representação dos sub-representados continua a ser reconhecido e honrado mais de 15 anos após a sua morte. Ela abriu portas e inspirou inúmeras mulheres e pessoas de cor a seguirem carreiras na política.

Shirley Chisholm foi uma verdadeira pioneira que fez história através da sua carreira que quebrou barreiras. Sendo a primeira mulher afro-americana eleita para o Congresso em 1968, abriu as portas da política americana às mulheres e às pessoas de cor. Durante o seu tempo no Congresso, Chisholm foi uma defensora acérrima das causas progressistas e dos grupos sub-representados. Lutou pelos direitos civis, pelos direitos das mulheres, por estruturas de acolhimento de crianças a preços acessíveis e pela expansão das senhas de alimentação.

Em 1972, Chisholm voltou a fazer história ao ser a primeira afro-americana a candidatar-se à presidência dos Estados Unidos por um grande partido. A sua campanha inspirou mulheres e afro-americanos a tornarem-se mais activos politicamente, apesar de não ter conseguido a nomeação.

A carreira pioneira de Chisholm e a sua vontade de falar em nome da justiça deixaram um impacto duradouro na política americana. Abriu o caminho para que outras mulheres e pessoas de cor procurassem cargos superiores. O seu legado continua a inspirar novas gerações de líderes que seguem as suas pisadas.

Shirley Chisholm demonstrou que a diversidade no governo beneficia a sociedade. Provou que as mulheres e as minorias podem candidatar-se com êxito ao Congresso e à Presidência. A sua carreira é um testemunho de como a quebra de barreiras e a luta pela mudança progressiva podem expandir a democracia e fazer avançar a sociedade. Chisholm deixou uma marca duradoura na política americana através da sua coragem, tenacidade e vontade de “não ser comprada e não ser controlada”. A sua vida notável é um símbolo duradouro de como um indivíduo dedicado pode criar uma mudança positiva.

Partilhar este artigo
Deixar um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *