Rebel Moon – Parte 2: A Marcadora de Cicatrizes (2024) O filme de sexta-feira na Netflix: Uma grande batalha repleta de épica para um final previsível.

Rebel Moon – Parte 2: A Marcadora de Cicatrizes é um filme realizado por Zack Snyder, protagonizado por Sofia Boutella. Com Michiel Huisman, e Ed Skrein.

“Rebel Moon – Parte 2: A Marcadora de Cicatrizes” leva-nos ao fim desta história de agricultores e senhores abusadores que exigiam mais do que o povo podia dar e… levou-se a cabo uma revolução.

Nesta segunda parte temos um filme em duas partes distintas: a preparação para a batalha e a própria batalha. Ambas interessantes, com todo o espírito épico exagerado de Zack Snyder que, não podemos negar, se manteve fiel ao seu estilo.

Este filme não irá decepcionar os seus fãs, aos incondicionais deste estilo pomposo, peculiar e teatral que encontra nesta batalha intergaláctica mais um capítulo neste manual de estilo Zack Snyder em que ele transforma todos os seus filmes.

Um final que, no entanto, não deixa grandes surpresas dadas as premissas e que se desenvolve no tom esperado na mais clássica das aventuras futuristas que culmina na grande batalha.

Sobre o filme

Os grandes ícones da arte, seja na pintura, escrita ou cinema, correm o grande risco de cair na repetição, buscando constantemente aquele momento de glória e genialidade que, repetido até à saturação, acaba por não surpreender. Isto é o que acontece ao seu criador, Zack Snyder, que continua a ser tão genial como em 300, mas alguns anos já passaram e o que eram novidades ao nível de enquadramento e fatura técnica, hoje tornaram-se em marcas inconfundíveis de um estilo tão pessoal quanto inovador (na sua época).

É verdade, evoluiu, mas a épica e os grandes discursos de 300 estão lá, a força incontida e esse estilo próximo ao comic. “Rebel Moon – Parte 2: A Marcadora de Cicatrizes” revela-nos algo novo em relação ao estilo já estabelecido? Não, de todo, nem há uma procura de uma nova linguagem nem a história é suficientemente nova, e o que ameaçava no primeiro filme tornar-se o novo Star Wars (que também já estava inventado) acaba por nos dar o final mais clássico possível.

Espectacular, sim, sem decepções porque todas e cada uma das suas imagens são espetaculares, mas o singular estilo do seu criador continua a ser o que já vimos e admirámos anteriormente, o que já conhecemos e surpreendeu há algumas décadas e que, passados os anos, parece que continua a ser o mesmo em uma repetição dessa genialidade à qual já estamos habituados.

As histórias mudam, mas o estilo permanece.

Em “Rebel Moon – Parte 2: A Marcadora de Cicatrizes” quase tudo é guardado para o final, à exceção de alguns flashbacks espetaculares a nível estético da primeira parte. Toda a pólvora, todo o desenvolvimento e todas as personagens destinados a uma última batalha que decidirá tudo. Mais clássico, impossível, e é que este filme não veio para mudar os princípios da épica.

É perfeita neste sentido, tecnicamente maravilhosa e exatamente o que o seu criador quis fazer: o futurismo mais clássico numa história de heróis e vilões, de ricos e pobres e do império injusto contra os agricultores honestos.

A nossa opinião

Sem decepcionar, não consegue impressionar nem dar uma reviravolta ao estilo que já conhecíamos. Sendo um filme fantástico em todos os seus aspectos técnicos, deixa-nos com saudades de um novo sabor a outro nível, estético ou narrativo.

Perfeito, mas sem a cereja do inovador.

Onde assistir “Rebel Moon – Parte 2: A Marcadora de Cicatrizes”

Netflix

Veronica Loop
Veronica Loophttps://medium.com/@veronicaloop
Veronica Loop é a diretora-geral da MCM. É apaixonada por arte, cultura e entretenimento.
Artigos relacionados

Deixar uma resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos mais recentes